Nenhum produto no carrinho.

Subtotal: R$0,00
Nov 19 ,2020

A História da Cor Azul

O azul foi produzido pela primeira vez pelo antigos egípcios, que usavam para suas artes decorativas, pintavam peças de cerâmica, estátuas e principalmente para decorar suas tumbas.

AZUL EGÍPCIO

Azul EgípcioImagem retirada do site: http://www.artinsociety.com/egyptian-blue-the-colour-of-technology.html

O azul foi produzido pela primeira vez pelo antigos egípcios, que usavam para suas artes decorativas, pintavam peças de cerâmica, estátuas e principalmente para decorar suas tumbas.

Após o descobrimento dessa cor sua evolução prosseguiu em grande velocidade.

Pigmento Azul Egípcio
Síntese moderna do azul egípcio
naturalpigments.com

O Azul egípcio foi considerado o primeiro pigmento sintético da história 2200 a.C.

Uma mescla de calcário moído com algum mineral com cobre, Azurita ou Malaquita, que aquecido na temperatura de entre 800/900, tendo como resultado uma espécie de vidro azul opaco que era triturado e combinado com um agente espessante, como clara de ovo, para criar um verniz de larga duração.

Foi utilizado até o fim do período grego-romano (332 a.C / 395 d.C. )

AZUL ULTRAMAR

Lápis Azuli
Pedra Lápis Lazuli
Fonte: https://www.facebook.com/WinsorNewton/posts/10157078879037047

Uma pedra semipreciosa lápisazuli começou a ser importada pelos egÍpicos desde as montanhas do Afeganistão.

O primeiro uso conhecido como pigmento foi utilizado pelos budistas Bamiyan. Foi batizado como ultramar que significa "além do mar".

No séculos XIV e XV, os comerciantes italianos levaram para a Europa.

Seu efeito de profundidade, sua elegância converteram-no em um dos mais solicitados durante a idade média e somente utilizado pelos artistas de alto poder aquisitivo, pois era considerado tão precioso como o ouro.

Lefranc Azul Ultramarine
Tinta Acrílica Lefranc Azul Ultramar

Curiosidades:

Ficou reservado para as obras mais importantes como: Johannes Vermeer, Autor da "La Jovem de La Perla" que gostava tanto do pigmento que quase levou sua família a bancarrota.

la-joven-dela-perla
La Jovem de La Perla

Santo Entierro, 1500-01 de Miguel Ángel ficou incompleto por não poder comprar o pigmento ultramar.

Esse alto custo se manteve até 1826. Quando um Francês inventou um ultramarino sintético.

 

AZUL COBALTO

Dink Bird, Maxfield Parrish
Dink Bird, Maxfield Parrish
Fonte: https://www.morsemuseum.org/collection-highlights/paintings/dinkey-bird

Surge entre os séculos XII e XIX, usado principalmente, para pintar cerâmica e peças de joalheria. Na China , com o padrão azul e branco, em suas porcelanas.


Uma nova versão mais pura foi descoberta em 1807 pelo químico francês Louis Jacques Thenard.

azul cobalto

Pintores como M.W.Turner, Pierre-Auguste Renoir e Vicent Van Gogh utilizaram esse novo pigmento como alternativa ao ultramar que era muito mais caro.

Pigmento Azul Cobalto
Pigmento Cromacolor Azul Cobalto

Curiosidade:

Conhecido como apenas azul cobalto, também somou-se ao seu nome Azul Parrish, um artista americano que pintava paisagens celestes.

 

CERÚLEO

Dia de Verano, Berthe Morisot

Originalmente composto de estanho de magnésio, foi aperfeiçoado pelo alemão Andreas Hopfner em 1805, no processo de aquecimento da mistura de cobalto e dióxido de estanho.

Aquarela Pastilha Pebeo Azul Ceruleo
Aquarela Pastilha Pébéo Azul Cerúleo

Só foi reconhecido como pigmento artístico em 1860 quando Rowney and Company começou a vender com o nome de coeruleum.

Dia de Verano, Berthe Morisot
Dia de Verano – Berthe Morisot
Fonte: https://educacion.ufm.edu/berthe-morisot-un-dia-de-verano-oleo-sobre-tela-1879

Curiosidades:

Em 1999, a marca Pantone lançou um comunicado à imprensa lançando o cerúleo como a cor do milênio, a tonalidade do futuro.

Ceruleo Pantone

 

ÍNDIGO

Azul Indigo

Usado para conseguir textura de forma mais econômica que o lápisazuli, pois era extraído de uma planta "Indigofera Tinctoria", que podia ser obtida com facilidade em muitas partes do mundo.

Extração Indigofera Tinctoria
Imagem retirada de:
https://www.researchgate.net/figure/ndigo-extraction-method-of-Strobilanthes-cusia-by-Hainan-Miao-dyers-a-Strobilanthes_fig2_334214211

Assim, revolucionou o comércio têxtil no século XVI, provocando guerras comerciais entre América e Europa.

O índigo foi realmente muito popular para tingir roupas de homens e mulheres.

Em 1880, aparece sua versão sintética.

Pastel Oleoso Caran d'Ache Azul Índigo
Pastel Oleoso Caran D'Ache Azul Índigo

Curiosidades:

Nesta última década, vários cientistas descobriram que a bactéria escherichia coli poderia ser modificada biologicamente para produzir a mesma reação química que produziu o azul nas plantas. Certamente esse método bio índigo será a fabricação ecológica do futuro.

Isaac Newton escreveu que o arco-íris deve-se compor em sete cores para corresponder com os setes dias da semana e as sete notas da escala musical.

Para isto ele acrescenta o índigo e o laranja, sendo que os outros cientistas afirmam que o arco íris só teria cinco cores.

 

AZUL MARINO

Uniforme Marinha - Azul Marino
Imagem retirada de: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:GFM_Toulon_Bastille_Day_2008_n1.jpeg

Uma das tonalidades mais escuras do azul, obteve esse nome por causa dos uniformes da marinha real britânica, utilizada em 1748, que hoje é tingida de quase preta, para não desbotar.

 

Caneta Gel Pentel Energel  Navy Blue
Caneta Gel Pentel Energel 0.5mm Navy Blue

 

AZUL DA PRÚSSIA

La Gran Ola de Kanagawa – Hokusai

Em espanhol "Azul Berlines", o azul da prússia foi descoberto acidentalmente pelo fabricante de tinta alemã Johann Jacob Diesbach.

A intenção era criar uma nova cor de roxo, e colocou erroneamente em contato com sangue de animal, e para surpresa, em vez de criar um novo tom de roxo, a reação química causou uma tonalidade vibrante de azul.

Durante seu período azul, Pablo Picasso utilizou exclusivamente o azul da prússia.

La Gran Ola de Kanaguawa – Hokusai, 1831
Obra: La Gran Ola de Kanaguawa – Hokusai, 1831

O pintor gravador japonês Katsushika Hokusai que criou sua icônica La Gran Ola de Kanagawa, e outras em sua série "Trinta e seis visitas ao monte Fugi", também usou com abundância o azul da prússia.

Em 1842 o astrônomo inglês John Herschel, descobriu que o azul da prússia é particularmente a luz, e ideal para fazer cópias.
Daí a utilização desse Azul por engenheiros e arquitetos que tiravam cópias de seus desenhos.
Consta o nome em inglês “Blue Print” e em espanhol "Cianotipo".

Tinta Acrílica Galeria Winsor & Newton Prussian Blue Hue
Tinta Acrílica Winsor & Newton Azul da Prússia

Curiosidade:

Hoje em dia o azul da prússia é usado em forma de pílula para curar envenenamento por metais.

 

AZUL KLEIN

Yves Klein, Klein Blue
Yves Klein com sua assinatura Internacional Klein Blue. Fotografia:. Charles Wilp/BPK Berlin
Fonte: https://www.theguardian.com/artanddesign/2016/may/13/yves-klein-london-birth-blue

Em sua busca por um azul cielo perfeirto, o artista francês Yves Klein criou uma versão mate de ultramar, que segundo ele era o melhor azul de todos.

Registrou como internacional Klein Blue (IKB) e essa cor se converteu no sinônimo do artista, que o usou entre 1947 e 1957. Pintou mais de 200 telas e esculturas.

Anthropométrie sans titre (1961) by Yves Klein
Anthropométrie sans titre (1961) by Yves Klein.
Photograph: Yves Klein, ADAGP, Paris/DACS, London.
Fonte: https://www.theguardian.com/artanddesign/2016/may/13/yves-klein-london-birth-blue

Curiosidade:

Klein uma vez disse que o azul não tem dimensão além deles, acreditava que a cor pode transcender a tela.

 

Last Update 2020-12-04 17:41:10
Read 39 Times
Published In Pintura Artística